Bicho de Lenha

 
 
Piscina
  Para o cão, uma água benta.

Quem já teve um cão com displasia coxo-femoral (quando o fêmur não encaixa direito na bacia, causando dores e chegando a provocar paralisia nos membros traseiros) deveria saber os benefícios que a natação traz para nossos pets, desenvolvendo a musculatura sem os impactos que corridas e saltos provocam. E aumentando a capacidade cardiopulmonar. Mas é claro que se a piscina é boa para cães com limitações físicas, é melhor ainda para animais saudáveis, que normalmente adoram cair nas águas.

Como iniciar

É claro que há raças que estão mais para peixe do que para cão, como o Labrador, o Golden e o Terranova. Mas todos podem aprender a nadar. E tomar gosto pela coisa, desde que seu início seja sem traumas e associado a uma atividade prazerosa, com recompensas em forma de brinquedos ou petiscos. Por isso, é preciso acompanhamento desde o início por profissionais treinados, que entrarão na piscina, se necessário, para garantir a autoconfiança do animal.

Cuidados

Depois das “pernadas” na piscina, o ideal é dar um bom banho em seu cão, limpando e secando bem os ouvidos para evitar otites, e colocando soro fisiológico nos olhos do bichinho. Assim, ele estará logo pronto para outra. E lembre-se: nada de levar seu pet para a praia, porque é proibido!

Projeto ideal

Para evitar más experiências ou acidentes, a piscina para cães deve ter rampas ou degraus nos dois lados, se for reta (que é o formato ideal). E seu pet deve aprender com calma a sair da água. Quem sai com calma volta feliz!

OBS – Serviço prestado por empresa parceira,
sob nossa orientação e inteira responsabilidade.


 

< Voltar 

 

 

Política de Privacidade

 
site desenvolvido pela Produtora Jundweb